Top 10: Jogos que mereciam remake! (pt3)

7 06 2009

Mais uma lista vai chegando ao fim e, como previsto, houve controvérsia, críticas e sugestões. Houve também uma mudança de última hora que, certamente, será também bastante controversa. Bom, deixemos de conversa e vamos ao que interessa:

___

4 – Comix Zone (Mega Drive)

Comix_Zone_Coverart

Bem, estamos agora falando a respeito de um jogo que assim como Rock n’ Roll Racing, com certeza causa ainda muitas boas lembranças em todos que tiveram oportunidade de jogá-lo.

Comix Zone é um título que do começo ao fim esbanja originalidade em todos os aspectos. Veja bem, temos aqui um jogo no qual o personagem principal, Sketch Turner, é um cartunista e músico nas horas vagas, o típico artista passa-fome, e que tem como companheiro um rato de estimação chamado Roadkill… Maiores apresentações se tornam desnecessárias.

A história tambêm é bem inusitada, numa noite de tempestade, Sketch está fazendo seus quadrinhos, quando um raio cai próximo a seu apartamento e acaba fazendo com que o vilão da história, Mortus, consiga fugir das páginas do gibi e colocar Sketch em seu lugar. Com isso, o vilão pretende destruir Sketch para poder enfim se libertar.

O legal do jogo é que ele realmente se ambienta em uma história em quadrinhos, e as fases são as páginas e os quadros, os quais Sketch tem de lutar para avançar. As falas e pensamentos dos personagens se dão por meio de balõezinhos e é possível inclusive rasgar pedaços do fundo da tela para fazer aviõezinhos de papel e jogar nos inimigos.

Visualmente, o jogo é fantástico, gráficos maravilhosos que combinam perfeitamente com a proposta do jogo. Inclusive os gráficos foram todos feitos por vários desenhistas de histórias em quadrinho. Um toque legal também é que varias vezes durante o jogo a mão de Mortus aparece com um lápis, desenhando novos perigos para atrapalhar a jornada de Sketch.

Pois temos aí um jogo com uma grande história, com belos gráficos que conseguem te colocar no clima da história perfeitamente, um excelente desafio e muita diversão. Além disso, vale lembrar que existe mais de um final no jogo, o que aumenta a durabilidade do título.

Hoje em dia existem milhares de versões lançadas do jogo para diversas plataformas, mas, mais uma vez, é impossível entender como até hoje não fizeram um novo título para a série, sendo que com a tecnologia atual seria possível produzir um jogo memorável. Imaginem as possibilidades do uso de filtros gráficos para simular nanquim e os traços, as possibilidades de interação com o cenário, e várias outras coisas que poderiam ser feitas.

Comix Zone não só tem potêncial para ter uma continuação ou um remake de extrema qualidade e aceitação, como tem total merecimento disso, visto a qualidade do título e quantidade de fãs que o jogo possui.

3 – Road Rash (3DO)

rashboxf.jpg

O 3DO, notoriamente, tinha muita tranqueira, mas as poucas pérolas que o videogame teve valem muito. Não é muito segredo, pra quem acompanha nosso blog, que sempre se lembra do console da Panasonic com carinho por aqui, muitos não concordam, mas ninguém discorda que Road Rash no 3DO é um dos jogos de corrida mais fantásticos em qualquer console até hoje!

Road Rash conseguiu um milagre que nem mesmo o Wii, com seu conceito casual e para toda família, conseguiu, ele uniu gerações em frente uma tela, ele acabou com preconceitos, ele foi um marco não apenas dos jogos de corrida, mas pra todo mundo que teve chance de jogá-lo. Road Rash fez minha irmã, que ignora completamente a existência de videogames no mundo, disputar a tapa comigo o controle do 3DO. Fez meu pai, que, durante toda sua vida, só gostou de River Raid, querer chegar em casa e tomar o videogame de mim pra ficar horas correndo pra lá e pra cá, xingando e se divertindo. Fez o idiota ex namorado da minha irmã na época querer comprar um videogame apenas para poder jogar Road Rash na sua própria casa. Enfim, o jogo conseguiu agradar mesmo os maiores apreciadores de videogame, com sua jogabilidade rápida, violenta e cada vez mais difícil, e também os “não crentes”, pois oferecia uma curva de aprendizagem bem suave e, quando você menos percebia, você já estava sabendo tudo sobre as Ratbikes, odiando a Cydney e quebrando maxilares com Axle.

Road Rash misturava corrida em alta velocidade com porradaria, você podendo massagear a gengiva de seus oponentes com um pé de cabra no lugar de simplesmente ultrapassá-los e tendo que ficar espero pra, do nada, não levar um pescoção à 200km/h que lhe levaria a um encontro imediato de primeiro grau com o hidrante mais próximo. No entanto, se por baixo do macacão de corrida você usasse uma camisa tie dye com o símbolo da paz e uma flor no cabelo por baixo do capacete, você podia também simplesmente ignorar a truculência e superar seus oponentes usando apenas a potência de sua moto e suas habilidades de pilotagem, mas, cá entre nós, poucas coisas davam prazer como vir desarmado, encontrar Bose Jefferson pela frente, o negão do mal que sempre tinha uma ripa à tira colo, tomar-lhe a tal ripa na marrada e forçá-lo a encerrar o asfalto com o próprio lombo. Ahhh… os bons tempos! Nem me faça falar de como era gostoso surrar policiais com seus próprios cacetetes!

Além disso, no melhor estilo Rock n’ Roll Racing, Road Rash tinha uma trilha sonora excelente, com músicas de grupos como Soundgarden, Therapy?, Swervedriver e Monster Magnet. No final das contas, Road Rash é um jogo simples, mas é extremamente viciante, é praticamente impossível não pegar o controle para uma partidinha só e se ver babando frente à TV e vibrando a cada bordoada certeira que atinge seu inimigo bem no meio da vista. Road Rash merece um remake, mas um que respeite sua jogabilidade simples, que não invente de inserir muitos salamaleques em sua jogabilidade. Merece um remake em nome de tudo que é sagrado, afinal, todos nós sentimos muita saudade de rasgar em alta velocidade as ruas movimetadas da Cidade ou simplesmente massacrar adversários no asfalto de Napa Valley. EA, por favor, refaça esse jogo. Por favor.

Please.

Amén.

2 – Star Control 2 (3DO)

star2-box.jpg

Esse lugar, há alguns dias, já pertencia à Battletoads, até que hoje eu sonhei com Star Control 2. Acordei, entrei na internet e fui assistir vídeos do jogo por pura nostalgia. Mas ai eu comecei a me lembrar das centenas de horas que o jogo consumiu da minha adolescência, me lembrei da sua história, que até hoje motiva jogadores a pegá-lo na internet pra explorar aspectos que não conseguiram antes dada a vastidão de possibilidades que o jogo oferece (pra felicidade dos seus fãs, hoje Star Control 2 tem uma versão open source na internet chamada Ur-Quan Masters disponível >aqui<), me lembrei de sua trilha sonora fenomenal (na versão do 3DO), dos dialogos engraçados e bem escritos e, com isso tudo, decidi que ia substituir Battletoads por ele, mas eu sabia que os sapões casca grossa não iam entregar o posto sem uma boa briga, e foi difícil convencer (e até agora não sei se convenci mesmo) o Jaunzim a aceitar a troca.

Pra convencê-lo, tive que mostrar vários vídeos, explicar o que tava acontecendo, contar a história de Star Control 2 (algo muito mais complicado que vocês imaginam), enfim tive de provar por A + B que ele merecia o posto e, quem jogou, pode confirmar, Star Control 2 é um dos melhores jogos já feitos.

No final das contas, esse trabalho para convencer foi bom, pois fui lembrando aspectos do jogo que havia esquecido. Lembrei de como você pode dar updates na sua nave, a liberdade de escolhas que varia do tipo de equipamento que você carrega até o número de tripulantes, lembrei de como era divertido vasculhar planetas procurando por minerais. Aliás, falando dos planetas, são mais de 3000 à sua disposição distribuidos por mais de 500 sistemas solares. Pude lembar das 18 raças de alienígenas que você lida, cada um deles com traços incríveis de personalidade, com uma PROFUNDA história e conexões com os fatos, alguns hostis, outros amigáveis. Lembrei também das mais de 14 naves que você tem que aprender a controlar, dos incontáveis desdobramentos de conversação (todos com atuações de voz, no mínimo, muito boas, no caso do 3DO). Você pode insultar, elogiar, manipular, bajular, persuadir… enfim, como dito, as possibilidades são inúmeras. Enfim, lembrei dos motivos que me fizeram investir horas importantes da minha juventude, muitas horas dessas, em tentar derrotar os Ur-Quan e libertar o povo da Terra.

A história do jogo traz a humanidade excluida da Terra, agora sobre o cotrole de uma raça chamada Ur-Quan (ao longo desse jogo você aprende a temer esse nome e evitar ao máximo encontrá-la pela frente) e cabe a você, oriundo de um planeta à centenas de anos luz, libertá-la de seus opressores. As viagens entre planetas são outro ponto divertido do jogo. Como as distâncias são, quase sempre, imensas, você tem que viajar pelo hiper espaço e a melhor coisa dessa viagem é a música que toca durante suas aventuras por lá, uma das melhores de um jogo repleto de grandes músicas. De planeta em planeta você vai pegando minerais que lhe renderá dinheiro para dar upgrades em sua nave até transformá-la de simples cargueiro inofensivo até uma máquina bem armada que, junto das raças que você convencem a te acompanhar em sua jornada, acaba virando líder de uma frota imponente! Isso tudo sem falar no simples modo de combate multiplayer (local, é claro) que era divertido, simples e viciante!

Enfim, mesmo sabendo que Star Control 2 talvez fosse ser questionado, muitos diriam que outros deveriam estar aqui, resolvi que ele merecia o posto dos Battletoads, principalmente porque Battletoads teve outras versões, grandes versões, por sinal, e que um jogo de estratégia fenomenal como Star Control 2 seria, se tivesse chance de atingir um público mair, certamente reconhecido com o incrível clássico atemporal que realmente é! O time da Crystal Dynamics, responsável por grandes jogos do 3DO como o próprio Gex, Total Eclipse, Crash ‘n Burn e o port de Samurai Shodown, realmente acertou a mão, uma pena hoje em dia prefiram dedicar seu talento aos jogos de qualidade duvidosa da Lara Croft do que em trazer pras novas gerações o que é, facilmente, o melhor jogo que já produziram e um dos melhores já feitos até hoje!

___

A lista entrou com certo atraso, mas entrou. Espero que vocês gostem e entendam nossas escolhas! Amanhã voltaremos com o campeão! Aguardem!

Posts anteriores:


Actions

Information

5 responses

7 06 2009
Top 10: Jogos que mereciam remake! (pt1) « XMBuzz

[…] Parte 3 – 4, 3 e 2 […]

7 06 2009
Top 10: Jogos que mereciam remake! (pt2) « XMBuzz

[…] Top 10: Jogos que mereciam remake! (pt3) « XMBuzz (03:25:26) : […]

7 06 2009
J Secrets

Boa! Quero ver o primeirão!

8 06 2009
Top 10: Jogos que mereciam remake! (pt4) « XMBuzz

[…] Parte 1 – 10, 9 e 8 Parte 2 – 7, 6 e 5 Parte 3 – 4, 3 e 2 […]

9 06 2009
Carlos

Road Rash foi loko hein!!! Perdi muitas horas jogando isso… na verdade, ganhei muitas horas hehehe

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s




%d bloggers like this: